quarta-feira, 30 de junho de 2010

Como transcender o ego?

Não há nada de errado com o ego humano em si, ele é apenas um animal selvagem perdido, que vive em constante sofrimento, e que precisa de ser domesticado e direccionado. Só o ego pode ter algo contra o ego... só o ego pode sentir raiva e ódio em relação aoego... só o ego pode querer eliminar o ego porque é aquela coisa, aquele inimigo que anda a causar todo o sofrimento que ele sente, e ele quer ver-se livre disso tudo.

Quando o ego se apercebe da sua existência e do que anda a fazer, vai-se julgar a si próprio e odiar-se, tipo macaco a olhar-se ao espelho.

E é óbvio que isso nada tem a ver com a solução.

Vamos então falar do que concretamente se tem de fazer:

Uma das coisas é tornar o ego saudável. E tornar o ego saudável pode-se chamar de desenvolvimento pessoal. Isto trata-se de evoluir mentalmente, físicamente e emocionalmente. E este é o típico trabalho que se faz em workshops de desenvolvimento pessoal. Aprende-se a usar melhor a mente para se alcançar objectivos e para pensarmos sobre tudo de uma forma mais positiva, aprende-se sobre as emoções, como nos sentirmos mais motivados, como criar em nós emoções que desejamos sentir através da mente e do corpo, aprendemos sobre linguagem corporal, etc, etc. Fazemos o nosso eu separado evoluir e crescer, aprendendo a usar melhor as suas 3 dimensões, e o seu potencial para nos sentirmos melhor, termos o que desejamos, etc, etc.

Outra parte importante de tornar o ego saudável é a psicoterapia. Isso ajuda-nos a olhar-mos para nós próprios honestamente e vermos aquilo que de facto está mal e tem de ser corrigido ou modificado. Seja o significado que damos a certas experiências, seja a imagem que temos de nós próprios, a forma como vemos os outros, o mundo e a vida, etc. A dimensão mental aqui é trabalhada para que não hajam dinâmicas disfuncionais que nos prendam ou prejudiquem os que nos rodeiam.

Agora, eu não estou a dizer que tens de fazer psicoterapia. Se te sentires motivado a fazer ou se sentires que precisas de fazer, faz. Caso contrário não tens de fazer, pois eu também nunca fiz. Se fores honesto contigo próprio e identificares que estás errado em algo ou que estás mal e muito pouco desenvolvido em algo, então irás conseguir fazer esse trabalho sozinho. Os primeiros passos em termos de desenvolvimento pessoal sério, são um pouco isso. Vemos que somos uma desgraça em determinada área , aceitamos isso, assumimos a inteira responsabilidade disso estar assim e de o mudar, e entramos em acção num processo de estudo e desafio constantes.

Isto torna o eu separado, ou ego, saudável, sem grandes pancas, bloqueios, problemas, tristezas, inseguranças, etc. Um egosaudável consegue funcionar bem na vida, integra-se bem na sociedade, é normal, alcança objectivos, muda as suas circunstâncias, tem sucesso, torna-se milionário, torna-se famoso, bate um recorde mundial, etc.

Mas continua a sofrer.

Não interessa a quantas workshops de desenvolvimento pessoal vais pular, gritar e celebrar, não interessa os PNLs que aprendas, os coachings e terapias que faças... não interessa a quantidade de dinheiro que ganhes, a quantidade de amigos que tenhas, a quantidade de coisas que alcances na vida, o sucesso que tenhas na vida, a quantidade de sexo que faças, o positivo que sejas, as 1001 ferramentas e bengalas emocionais que tenhas e uses...

Quando chegar o momento difícil, vais sempre sofrer. Quando chegar o desafio a sério, vais sempre sofrer. Quando chegar o problema grave, vais sempre sofrer. Quando perderes algo ou alguém que adoras, vais sempre sofrer. Palavras vão-te continuar a afectar. O ego vai-te continuar a pregar rasteiras... irás reagir a tudo o que se manifestar à tua volta... tudo te irá incomodar e controlar. Continuarás viciado e agarrado às mesmas coisas...

Porquê?

Porque continuas identificado com o bicho (ego). E o bicho continua a ter necessidades e desejos, medos, e está sempre preocupado consigo próprio, e ele sozinho não se consegue colocar no lugar dos outros e ter verdadeira Compaixão, logo as desonestidades, manipulações, cenas de controlo, e decisões que prejudicam os outros vão continuar. Vão continuar a haver discussões, conflitos e guerras porque “sou eu separado de ti e sou eu contra ti e só um pode ganhar, e eu quero ganhar!”.

Tornar o ego saudável é importante pois permite-nos lidar com o mundo material o melhor possível. Permite-nos tirar dele e criar nele o melhor possível em todas as áreas. Desenvolvimento pessoal é parte da equação.

A segunda parte da equação é transcender o ego. Isto significa que nos deixamos de identificar com ele, logo deixamos de ser controlados por ele. As coisas deixam de nos fazer sofrer e de nos condicionar.

Para se transcender o ego é preciso haver evolução espiritual. É preciso trabalhar a nossa dimensão espiritual. Tanto estudar espiritualidade como meditar são duas práticas essenciais.

Isto funciona mais ou menos assim: somos controlados pelo ego (eu separado) pois identificamo-nos com ele. Identificamo-nos com ele pois não temos a nossa dimensão espiritual (eu Universal) trabalhada e desenvolvida para nos identificarmos com ela, que é o que realmente somos: a Testemunha. Temos um corpo, mente, emoções e vida, mas não somos nada disso. Nós somos a Consciência que testemunha todas essas manifestações no mundo material do eu separado.

As coisas deixam de nos incomodar e fazer sofrer pois estamos desidentificados com tudo. Sentimos mais as coisas pois estamos abertos a tudo e vemos tudo pelo que realmente é... se é bom sentimo-mos ainda melhor (prazer), se é mau sentimo-nos ainda pior (dor), mas não há sofrimento pois estamos meramente a observar o que se está a manifestar. As emoções não nos controlam nem têm um efeito a longo prazo. Seja o que for que aconteça, sentimo-lo e vemo-lo pelo que é, mas não nos faz sofrer.

Passamos a viver a vida de uma forma mais completa, integral e consciente, dedicando-a ao Todo, e sempre tratando equilibradamente do nosso eu separado.
Surge uma natural e verdadeira consideração pelos outros, uma despreocupação saudável em relação a resultados, passa-se a “ver” e a “perceber” coisas que a maior parte das pessoas nem sonha, tudo acontece no contexto da partilha e da contribuição, a energia do Amor está sempre presente, sempre “ligada”, e mais uma série de coisas diferentes do género.

É fácil perceber e saber qual é a grande solução para o ego humano, aplicá-la é que é mais complicado. Fazer o eu separado evoluir já é difícil, mas mais difícil ainda é transcendê-lo. Aí é que os desafios a sério começam. Transcender o ego é na sua essência sentirmo-nos confortáveis com qualquer coisa que aconteça no mundo material, seja ela qual for. Seja dor, problemas, perdas, rejeição, solidão, medos, doenças, a falta de algo, etc, etc.

Lembra-te que o Super-Homem é o Super-Homem não porque se consegue desviar das balas, mas porque uma vez atingido em cheio por estas, elas não o afectam. Agora, não é por causa disso que o Super-Homem se mete intencionalmente à frente das balas. Mas ele está disposto a levar com elas por contribuição. Pelo Todo. Por valores e princípios espirituais como a Autenticidade, a Integridade e a Compaixão.

Isto significa que ser Autêntico não te garante ser aceite por todas as pessoas, serás sempre rejeitado. Mas para o espiritualmente evoluído isso é irrelevante, ele não tem essa fraqueza, ele não tem esse medo de ser rejeitado. Para ele isso não tem qualquer impacto. Para ele é mais importante ser ele próprio, ser Autêntico e contribuir para o Todo. Neste caso para a percentagem de pessoas autênticas e não para a de pessoas falsas. E como consequência positiva será rejeitado pelas falsas e irá atrair as autênticas.

Só transcendendo o ego se consegue tomar uma decisão que pode magoar o ego ou fazê-lo perder algo, mas ao mesmo tempo fazer o Todo, ou a outra pessoa, ganhar algo.

Este é um caminho de guerreiro no qual só se verdadeiramente avança se se estiver disposto a ir frente até às últimas consequências.

É um trabalho difícil e pesado, no qual não pode haver desculpas, hesitações, brincadeiras ou as tretas do costume. É dar o passo difícil em frente ou continuar na mesma.

Mas é possível para ti e para todos, é apenas uma questão de querer. Está ao alcance de todos. Tudo aquilo de que precisas já existe em ti, só tens é de aprender a alcançá-lo e a usá-lo.

Para acabar, tudo afecta o ego (eu separado). Se é bom controla-o e ele não consegue resistir, e vai fazer tudo para o obter (desonestidade, manipulação e prejudicar os outros ou a si próprio incluídos). Se for mau vai fazê-lo sofrer, ele não tem escolha. E neste caso pensar positivo, afirmações, visualizações, PNLs e outras coisas do género para pouco ou nada servem. Servem sim para fazer o ego evoluir e torná-lo capaz de criar uma realidade mais agradável a maior parte do tempo. Fazer certas coisas boas acontecer e alcançar certas coisas, para se sentir bem ou melhor.

Transcender o ego vai fazer com que nós deixemos de precisar das coisas, e passemos a não sofrer por causa delas. Isto não quer dizer que não as tenhamos, quer dizer sim que as vemos de outra forma, e que não negligenciamos nada nem ninguém por elas. O Todo passa a estar sempre em consideração, logo os outros também. Ter ou não ter algo não nos incomoda a um nível profundo. Seja bom ou mau o que aconteça, não nos controla. Sentimos o que é pelo que é, mas não nos controla nem incomoda. Passamos a ser testemunhas das emoções, e não as emoções.

Porque é isso que todos nós Verdadeiramente somos: a testemunha. A Consciência que escreveu este texto e que a está a ler agora. Nós somos o Todo. A vida do eu separado é uma espécie de sonho do qual temos de acordar. Temos não como regra imposta, mas como solução para acabar com o sofrimento. Quando à noite vamos dormir e sonhamos, depois acordamos, e tudo o que aconteceu durante o sonho desaparece e deixa de nos afectar. Isto é muito semelhante a transcender o ego. Passamos a viver numa outra realidade, na qual coisas fantásticas são possíveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário